domingo, 7 de dezembro de 2008

Ivan Valença e o Cine Aracaju


Comentário feito pelo crítico de cinema Ivan Valença. a respeito da postagem "Cine Aracaju", datada de 7 de setembro de 2008.

De: Data: 30 de novembro de 2008 15:33
Assunto: comentários
Enviado por: infonet.com.br
Meu caro Armando,

Recebi seus e-mails, reproduzindo seus artigos sobre os cinemas de Aracaju, que serão muito preciosos nos meus artigos. No artigo do cinema aracaju ou está enganado eu ou está enganado você. Não me lembro das trocas de poltronas, que sempre foram as mesmas, de assento azul acolchoado. Mas me parece que não havia acolchoamento nas costas. No que se refere a tela ela nunca foi trocada, sempre foi a mesma. Aconteceu que o Cinema Aracaju inaugurou-se sem ter a lente cinemascope, daí porque os filmes scope de empresas que eram exclusividades suas passavam em outra sala. então, como eram inumeros filmes em cinemascope, os baianos donos de cinema encontraram um jeito. A lente cinemascope foi fabricada especialmente para ele, para poder projetar na chamada tela panoramica, cortava um pedaço em cima e às vezes ficava muito dificil a leitura das legendas. Por isso Queiroz, quando arrendou o cinema, encontrou outra fórmula. A tela panorâmica continuou e ele mandou fazer outra lente, que enlarguecia quando o filme era em scope e ficava estreita quando o filme era comum. Acima da tela, ele colocou uma faixa de pano de veludo de modo que tinha-se a impressão que a tela era cinemascope de verdade. Quando se exibia o filme plano, ele usava a lente para tela comum. Pelo menos é isso que me lembro. Mas não descarto você de ter razão.

Ivan Valença

2 comentários:

Daniel Savio disse...

Parabéns pela "critica", mas acho que isso é um reconhecimento ao seu bom trabalho.

Fiquem com Deus, Lydia e Armando.
Um abraço.

Armando Maynard disse...

Recebí em 23 de novembro de 2008, o seguinte e-mail do jornalista e crítico de cinema Ivan Valença. Eis um trecho do mesmo: "Meu caro Armando, Tenho acompanhado seus belos artigos sobre o cinema Palace, cinema Aracaju - é daquelas de apertar a saudade no peito (...) Ivan Valença"